quinta-feira, fevereiro 07, 2008

Necrópole Romana da Azinhaga do S. Mártires: 1 Dia de Trabalhos Arqueológicos






Aspecto geral da visita de estudo de alunos da Secundária de Alcácer aos trabalhos arqueológicos em curso. Alunos do 10 Ano - História e Cultura das Artes, do prof. Jorge Santos Costa

2 comentários:

Anónimo disse...

A construção das referidas moradias podem por em causa a destruição da necrópole? Em casos em que isto acontece, nomeadamente no aparecimento de vestigios arqueológicos durante um curso de uma obra, a solução passa pela abertura de sondagens, investigação e uma posterior "destruição" (desmanchar da estrutura) ou tenta-se conservar o dito local de forma a minimizar os danos?

Antonio Rafael Carvalho disse...

A não existência de trabalhos arqueológicos neste local implicava a destruição da necropole, neste caso entendida como a não recuperação e registo de documentação arqueológica. O que tem acontecido em Alcácer, desde o tempo do Dr. João Faria e António Cavaleiro Paixão, é a intervenção arqueológica que preveligia o registo, ou seja, escava-se, desenha-se e depois a obra continua, segundo o projecto de licenciamento aprovado pela camara e com o parecer favorável da tutela - IGESPAR e até hoje nenhuma obra foi embargada. Quando numa escavação arqueológica aparecem estruturas, geralmente elas são encontradas em cotas inferiores ao nível de obra. Quando isso acontece, as estruturas são protegidas e a obra continua, como foi o caso recente da obra que decorreu ao lado do Solar dos Salemas. Noutros casos nem à necessidade de intervir, porque nada aparece ou então o chão não é mexido. Mas cada caso é um caso. No caso da Pousada (Cripta Arqueológica) era fundamental manter as estruturas em termos museológicos, porque estamos perante um espaço impar na história da cidade, desde o I Milénio antes de Cristo. A compreenção da nossa história passa pelo usufruto desses testemunhos. Nele podemos ver in loco um santuário do Periodo Romano, uma rua dessa altura, o interior de uma casa e em seguida, compartimentos e bases de uma torre do palacio muçulmano do Banu Danis. Infelismente pouco sobrou dos Paços da Ordem de Santiago, por causa das obras do século XVI, que transformou esse espaço em Convento das Freiras Clarissas de Aracaelli. A manutenção ou não de estruturas depende da natureza desses vestígios em termos de valorização do nosso património, sempre em diálogo com o "Dono da Obra". No presente caso desta escavação, o mais importante é o registo e escavação do local, seguido do estudo.Depois o terreno fica " liberto" e seguirá a construção normalmente segundo o seu plano de obra.